O Árabe

Idéias, sentimentos, emoções. Oásis que nos ajudam a atravessar os trechos desérticos da vida...

sexta-feira, 28 de abril de 2017

A ARTE DE OUVIR


A voz do homem é como o vento.
Nada produz e em nada se desfaz, ao chocar-se contra o muro compacto e insensível. Porém, ao encontrar o solo generoso, pode deixar cair a semente, da qual a planta bela e forte nascerá.
Necessitais aprender a ouvir. Porque os vossos ouvidos, quando de surdos se fazem, são como o muro contra o qual se desfazem as palavras, sem nada mudar ou produzir qualquer efeito.
Entretanto, quando de ouvidos e coração abertos escutais realmente o que vos dizem, a vossa mente torna-se o terreno fértil, onde a semente de uma ideia pode brotar e mudar a vossa vida.
É unicamente de vós, que depende fazer a diferença. Se, para expor as vossas próprias ideias, interrompeis aquele que vos fala, jamais o podereis entender, ou conhecer os seus pensamentos.
E, se apenas fingirdes escutar, sereis como o homem insensato, ocultando na boca a água que mitigaria a sua sede, para cuspí-la fora quando julga que ninguém o está mais observando.
Quando, entretanto, vos dispondes a verdadeiramente ouvir, as palavras não morrem em vossos ouvidos; novas ideias e novos sentimentos surgem, em vossa mente e em vosso coração.
Se alguma dúvida vos restar sobre o benefício de saber ouvir, recordai que é ouvindo, que a criança aprende a falar. Não vos encanteis pelo som da vossa voz, a ponto de desprezar as alheias.     
Aprendei a ouvir. Porque aquele que não ouve permanece preso às suas ideias e aos seus conceitos; e ninguém é dono da verdade, que nasce da junção de todas as verdades de cada um de vós.
Aprendei a ouvir. Porque o aprendizado é o objetivo da jornada, e o homem sábio é aquele que não aprende apenas com o sofrimento, mas também com tudo que lhe podem ensinar os seus irmãos.
Aprendei a ouvir. Porque não tropeçareis, se estiverdes avisados sobre a pedra. Não amargareis a sede, se souberdes onde encontrar o poço; nem a fome, se vos houverem ensinado o plantio.
Aprendei a ouvir. Porque mais facilmente entendereis a vós mesmos, se conseguirdes entender os vossos irmãos; é observando as estrelas, que se tem uma ideia da complexidade do céu.
Aprendei a ouvir. Porque os mesmos direitos que reclamais, assistem aos vossos irmãos; e decerto ninguém vos escutará, se vos furtardes a ouvir os outros quando lhes tocar a vez de falar.    
Ouvir é uma arte. Para que a possais praticar, necessitareis dominar o vosso orgulho, reconhecendo que não podeis estar sempre certos e abrindo a vossa mente para novas verdades.
Pois é assim que se processa o aprendizado.


Música:

sexta-feira, 21 de abril de 2017

O PESO DO VOSSO IRMÃO


Disponde-vos a carregar os vossos irmãos.
Porque longa e sinuosa é a estrada. E nela estão ocultos trechos calçados de pedras que magoam os pés, curvas sinuosas, montanhas escarpadas, rios caudalosos e abismos largos e profundos.
Sim; nem sempre, em vossos caminhos, pisareis em grama macia e atravessareis vales planos e ensombrados; ou encontrareis regatos de águas cristalinas, para refrescar-vos e saciar a vossa sede.
Nem sempre os ventos soprarão a vosso favor e as estrelas vos indicarão o rumo certo. Nem sempre as flores desabrocharão ao vosso redor e perfumarão com o seu delicado aroma o ar que respirais.
Deveis estar sempre dispostos a carregar os vossos irmãos. Porque um dia necessitareis, talvez, de serdes por vossa vez carregados; e está escrito que ninguém colherá senão o que semeia.
Sede generosos, portanto, enquanto as forças vos sobram e podeis ajudar a quem precisa. Pois, eu vos tenho dito, é só juntos, que chegareis ao fim do caminho; só juntos, concluireis a jornada.
O pastor não descansa, até que a última ovelha tenha retornado ao conforto do redil e esteja livre dos perigos da noite. Como podeis julgar que ficareis bem, enquanto bem não estiver o vosso irmão?
Aprendei esta lição, pois ela vos é necessária: é só quando os homens se dão as mãos, que a Canção do Universo se faz ouvir no coração de todos. É só o amor que pode construir a união e a paz.
Praticai o amor e leve vos será, aos ombros, o peso do vosso irmão. Rápidos e abençoados serão os vossos passos, quando renunciardes à carga pesada do egoísmo e ajudardes a quem precisa.
Nunca deveis temer que os vossos joelhos se verguem, ao carregar o peso de vosso irmão. Porque o Coração do Universo estenderá sobre vós a Sua mão e vos envolverá na Sua força sem limites.
Não vos escuseis, jamais, de carregar o vosso irmão. Porque, quando o fizerdes, estareis caminhando por dois; e o Coração do Universo, que tudo vê, multiplicará a velocidade do vosso caminhar.
Alegrai-vos, de cada vez que fordes chamados a carregar o vosso irmão. Porque o Coração do Universo caminhará ao vosso lado e a Sua presença se fará sentir na felicidade do vosso verdadeiro Eu.    
Deixai que eu vos repita: sede como a árvore, que não se nega a distribuir os seus frutos, porque se os retivesse pereceria. Sede como a fonte, cuja água se renova sempre, cada vez mais límpida.
Distribuí, sem medo, o que vos sobra. Não apenas de vossos bens, mas, principalmente, de vossa atenção e vossos sentimentos. Muitas vezes, o afeto e o respeito alimentam mais do que o pão.
Disponde-vos a carregar os vossos irmãos. Juntos estareis, na Mansão do Amanhã. 


Música:
http://ohassan.dominiotemporario.com/marco/1_andre_kostelanetz_romeo_e_juliet.mid

Texto inspirado por este vídeo fantástico: https://youtu.be/Pquk6ZsL96Q 
(Conta-se que, durante uma noite de nevasca, na sede de um orfanato em Washington (EUA), um padre ouviu alguém bater na porta e ao abrí-la encontrou um menino coberto de neve, com poucas roupas, trazendo às costas outro menino mais novo. A fome estampada nos rostos, o frio e a miséria dos dois comoveram o padre, que os mandou entrar e disse ao mais velho: “Ele deve ser muito pesado”. Ouviu, em resposta: “Ele não pesa, ele é meu irmão”.

Não eram irmãos de sangue, mas de rua. Este caso inspirou a música, e da frase surgiu o refrão.) 

sexta-feira, 14 de abril de 2017

O ORGULHO E OS ERROS


Vigiai o vosso orgulho.
Pois, na maioria das vezes, é ele não apenas o responsável por vossos maiores erros; mas também o maior obstáculo que necessitais vencer, para que os possais reconhecer e corrigir.
Não deveis hesitar em desculpar-vos, a cada vez que a lógica apontar os vossos enganos. Nada de firme se pode construir sobre terreno movediço, nem a planta cresce sem uma raiz firme.
Acostumai-vos, portanto, a reconhecer os vossos erros. Porque não chegareis ao destino certo, se insistirdes em seguir pelo caminho errado; deveis abandoná-lo e escolher outro caminho.
Em verdade, não existe vergonha no erro. É errando e aceitando as consequências, que o homem aprende a agir certo; as lições mais duras são sempre as que mais dificilmente se esquece.
Eu vos tenho dito que a malícia não é a maldade, mas a inocência corrompida. E não existe mérito em ser inocente, mas em reconhecer o mal e vencer a tentação que surge à vossa frente. 
Porque o aprendizado é o objetivo de cada jornada. E é por isto que ao homem pertence o livre-arbítrio: para que possa decidir as suas ações, pois a ele caberá suportar os resultados.
Não tenteis, pois, esconder os vossos erros; nem deles vos envergonheis. Aceitai-os, antes, e deles fazei os vossos guias, para que não volteis a cometê-los e sofrer novamente por eles.
Pois vossos erros são como pedras em que tropeçais, durante a jornada; e não se mostraria sensato o homem que não aprendesse com cada tropeço e evitasse as pedras, doravante.
Não deveis temer os vossos erros; necessitais cometê-los, para que vos mostrem o caminho certo. Temei, sim, o orgulho que vos torna cegos e surdos e vos impede de reconhecê-los.
Porque ninguém caminha sobre a terra, que jamais haja errado em sua vida. E os grandes homens não são aqueles que não erram, mas os que aprendem com seus erros e seguem em frente.
Certo é que deveis orgulhar-vos do que sois; pois cada um de vós é uma obra do Criador e tem em si a essência do Universo. Aprendei a conhecer-vos e tudo vos será possível alcançar.
Não deveis, entretanto, deixar que esse orgulho resvale para a presunção e a soberba. Nenhum homem pode estar certo todo o tempo e aquele que assim se julga comete o maior dos erros.
Cultivai a humildade, em vós. Abandonai a tentação de serdes donos da verdade e não vos negueis a reconhecer e corrigir os vossos erros; ou neles persistireis, até o final da vossa jornada.
Sede humildes. Este é o caminho para a verdadeira grandeza.


Música:
 http://ohassan.dominiotemporario.com/midis/kenny_g(tudo_por_amor).mid

sexta-feira, 7 de abril de 2017

A VOSSA FÉ


Necessitais da fé.

Pois é ela que vos sustenta, nos momentos mais difíceis da vida; e vos faz seguir em frente, conservando em vosso peito a esperança de que um dia chegareis a um futuro melhor. 
 
Como o navegante, perdido entre a noite sem estrelas e o mar revolto, renova as suas forças ao ver brilhar, entre as nuvens negras da tempestade, a luz tênue e salvadora do farol distante.

Procurais crer em algo maior do que vós e que tudo possa, porque conheceis as vossas limitações. Necessitais crer em um braço maior que o vosso, que chegue ao que não alcançais.

Muitas vezes, assim agis. Não confiais em vossas próprias forças e buscais a proteção de um escudo imaginário; não acreditais na bondade em vós, mas sim na recompensa por ser bom.

Pois o egoísta não consegue ser bom, senão quando movido pelo interesse no prêmio que virá; e o fraco não consegue ser forte, senão quando acredita que alguém mais forte o protege e apoia.

Cuidai para que não seja assim a vossa fé. Porque o homem que procura acreditar no Pai por não acreditar em si mesmo, sentirá abalada a sua crença, aos primeiros embates da vida.
  
Buscai, antes, o Coração do Universo; e é dentro de vós que O encontrareis. A Sua essência está em vós e através do vosso verdadeiro Eu podereis sentir a Sua presença e ouvir a Sua voz.

De nada vos servirá buscá-Lo em vossas igrejas, se não O encontrais dentro de vós. Porque o Pai não fala aos filhos através de intermediários, nem precisa que repitam as Suas palavras.

Símbolos, altares e rituais são criações do homem, para demonstrar respeito e submissão. É ao vosso redor e em vossa alma, que observareis a ação do Infinito e sentireis a Sua presença.

Pois não vos deveis sentir submissos ao Universo, mas parte Dele. Como o peixe não se sente dominado pela água onde vive; nem as estrelas pelo céu onde brilham, no escuro da noite.

Não é em vossos templos, que O encontrareis; nem em vossos hinos, que ouvireis a Sua voz. Podeis, porém, percebê-Lo na rosa que se abre e ouví-Lo no canto do pássaro ao amanhecer.

Não é nas velas que acendeis, que descobrireis a Sua luz; mas no brilho do sol e da lua. Não é no atendimento às vossas orações que percebereis a Sua força, mas no ventre que gesta a Vida. 

Aprendei a ouvir e escutareis a Sua voz no rugir do mar em fúria e no marulhar do regato; aprendei a enxergar e O vereis no brilho dourado do crepúsculo que cai sobre o mundo.

Que seja esta a vossa fé. Pois assim vos sentireis amparados todo o tempo,  descobrindo que a centelha divina habita em vós. E as vossas preces deixarão de ser murmúrios de queixas e pedidos.

Serão canções de amor e gratidão.


Música:
http://ohassan.dominiotemporario.com/midis/ernestocortazar-eternity(sm).mid

sexta-feira, 31 de março de 2017

A CANÇÃO DO FIM


Sim; tudo chega ao fim.

Assim acontece, na natureza e no mundo que conheceis. A semente germina, a planta nasce, cresce, desenvolve-se e um dia, simplesmente, fenece e morre. Como os homens.

Um dia, a infância termina; vai-se a inocência, e vêm os desejos ainda imprecisos da adolescência. Que findará, por sua vez, quando a maturidade vos trouxer novos anseios.

O deserto, que em sua aridez hoje vos assusta, talvez tenha sido um mar ou um lago, em cujas margens a vegetação florescia. O rio, cujas águas outrora corriam, é hoje a vala seca.

A flor, colhida pela mão enamorada, já foi o presente a adornar os cabelos da amada; hoje, murcha e descorada pelo passar dos anos, jaz morta entre as folhas do caderno esquecido.

Sonhos... quantos tivestes, ao longo das vossas vidas? E todos, um dia, chegaram ao fim. Tornaram-se desilusões sentidas; ou, realizados, não foram tão belos quanto sonhastes.

Aos poucos, a escuridão da noite se dissolve nos raios do sol que traz um novo dia; ao cair da tarde, é o sol que se retira, para que a lua e as estrelas voltem a enfeitar o céu.

(O alvorecer e o crepúsculo mexem com a vossa imaginação e despertam a vossa sensibilidade. Belos e limitados que são, precisam ser gozados em cada momento.).

E este é a ciência da Vida: aproveitar o que ela vos oferece. Porque um dia virá o fim; e não vos adiantará lastimar todo o tempo que perdestes, quando o poderíeis ter vivido.

Não vos deveis iludir. A nada imaginai eterno, porque tudo chega ao seu final. E, quando menos esperardes, a voz do Universo vos convocará à partida de tudo que conheceis.

Tende presente esta verdade e melhor vivereis cada um dos vossos instantes. Porque não deveis temer a vossa mortalidade, mas viver cada momento que o tempo vos conceder.

Tudo chega, inexoravelmente, ao fim. Assim são as vossas alegrias e as vossas tristezas, os vossos amores e as vossas ânsias, as vossas certezas e as vossas interrogações.

Não vos entristeçais, porém, com esta certeza; porque de nada vos adiantaria desprezar os encantos da viagem, preocupados com o momento em que chegareis ao seu final.

Não vos deveis iludir: tudo termina um dia. E de nada vos adianta querer conservar ao vosso lado tudo aquilo que julgais possuir. A vossa própria jornada chegará ao fim. 

Entretanto, folhas e flores que caem no outono renascem na primavera; sonhos mortos são substituídos, rios voltam a correr com as chuvas, amores e amizades vêm e vão. 

Bebês chegam a este mundo, idosos o deixam; o sorriso renasce e as lágrimas secam. A calmaria uma hora cessa; o vento volta a soprar e a Vida prossegue na Eternidade.   

Pois cada fim é um novo começo. 


Música:
http://ohassan.dominiotemporario.com/midis/adagio.mid

sexta-feira, 24 de março de 2017

CAMINHOS DA VIDA


Atentai às pequenas coisas.

Pois são elas que determinam a vossa vida; assim como são os momentos que fazem o tempo, as pétalas que formam a flor e os tijolos que constituem as casas onde vos abrigais
.
Recordai que este mundo não vos pertence; e nem a ele pertenceis. Aqui estais apenas de passagem, como o viajante que percorre muitos locais, em busca do Conhecimento.

E, como o viajante, andareis por desertos e conhecereis jardins floridos; navegareis por mares calmos e enfrentareis ondas de borrasca, até que chegueis a um novo porto.

Somos todos hóspedes, neste planeta; esta é a verdade. E, como hóspedes, devemos preservar o local onde nos abrigamos, e respeitar as normas que regem a estadia.

Refleti, pois, antes de cada gesto que praticais. Pois o fruto que hoje, por mero capricho, derrubais da árvore, poderá fazer-vos falta amanhã, quando a fome vos inquietar.

Aquele que hoje afastais do vosso caminho, poderia ser o mesmo que vos ofereceria o braço, como apoio para continuardes a caminhada, num futuro que decerto chegará.

Quem vos garante que a fonte, ou o regato manso e cristalino que hoje sujais com os vossos detritos, não seria amanhã a água bendita, que saciaria a vossa sede atroz?

Não vos é dado adivinhar o futuro. Por isto, é essencial que aprendais com o passado e vivais acertadamente o presente, para que possais desfrutar de um bom amanhã.

Nada deveis matar, nem mesmo o tempo. Cada minuto que hoje desperdiçais, quando poderíeis usá-lo para serdes felizes, vos fará falta um dia, quando pouco tempo vos restar.

Nada precisais deixar neste mundo, senão as vossas pegadas. Cuidai para que essas pegadas apontem aos que vos sigam o rumo certo, orientando-os durante a caminhada.

Nada podereis levar, senão a saudade. Depende de vós que a vossa saudade seja suave e doce naqueles que vos conhecem, transformando-vos em lembranças reconfortantes.

Estas são as diretrizes que vos posso deixar, para que proveitosa seja cada uma das vossas peregrinações; porque muitas serão as jornadas, até que prontos estejais.

Não alcançareis o topo da montanha, se as vossas pernas, não vos levarem até lá. Não caminhareis entre as estrelas, a menos que aprendais a bem usar as vossas asas. 

As asas do vosso verdadeiro Eu.

Música:
http://ohassan.dominiotemporario.com/midis/richardclayderman_nocturne.mid 

sexta-feira, 17 de março de 2017

DA GRATIDÃO


Sede gratos, pelos instantes que vos cabem.
Recordai que, ainda que alguns deles não vos tragam alegrias, cada um é uma gota da maior dádiva que podeis receber: a vida. Não o desperdiceis, porque jamais o tereis de volta.
Sede gratos por aqueles a quem amais, e por aqueles que vos amam. Sede gratos porque sobrevivestes ao passado, estais vivos no presente e à vossa frente está um futuro que podeis construir. 
Sede gratos pelo espetáculo de cores que vos oferece o amanhecer e pela tranquilidade cúmplice em que vos envolve a penumbra do crepúsculo; pelo calor do dia e pelo frescor da noite.  
Sede gratos pela relva que vos acaricia os pés e pelas pedras que vos ensinam o cuidado ao caminhar; pelos sonhos que vos encantam e pelos desenganos que vos trazem à realidade. 
Abrigai a gratidão em vossas almas e não vos entregareis à frustração da revolta. Abençoai os vossos momentos e a amargura de uma vida desperdiçada não vos encontrará ao fim do caminho.
Sede gratos por cada beijo e cada carícia que vos oferecem; mas agradecei, também, por cada aceno de adeus ou cada gesto de indiferença que recebeis. Uns e outros vos ensinam a viver.
Sede gratos, ao formular as vossas preces. Porque o Coração do Universo, cuja centelha habita em vós, conhece todas as necessidades de vossas almas; nada vos resta, portanto, a pedir.
Deveis, porém, agradecer. Pois ao Pai, que provê às necessidades de Seus filhos, é prazeroso ouvir a voz de cada um e saber que a gratidão e a humildade existem em seus corações.
Sede gratos pelas nuvens alvas que ornamentam o céu, cuja beleza vos encanta; lembrai, porém, que são as nuvens negras que atenuam o calor do sol e trazem a chuva que irriga o solo.
Sim; vezes haverá, em que tempestades cruzarão o vosso caminho; entretanto, o relâmpago que incendeia a árvore produz o fogo que vos aquecerá, no frio que se segue à borrasca.
Acautelai-vos, ao definir como “bom” ou “mau” cada evento que ocorrer em vossas vidas. Porque muitas vezes o que vos parece um mal poderá, no futuro, mostrar-se como o bem que é.
Pois da planta, que hoje parece impedir a vossa passagem, podem brotar os frutos que amanhã vos servirão de alimento; e a dor que agora vos magoe pode evitar um sofrimento maior.
Sede gratos por cada momento de vossa vida, por mais sem brilho ou doloroso que vos possa parecer. Porque significa que estais vivos e podeis seguir em frente; e este é o nascer da esperança.
Que vos conduz à Mansão do Amanhã. 


Música:
http://ohassan.dominiotemporario.com/midi vocais/sarahbrightman-whatawonderfulworld-unem.mid

Real Time Web Analytics Real Time Web Analytics Real Time Web Analytics Clicky